Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2016

Chico Xavier, o destruidor do Espiritismo

(Autor: Saddam Hayek)
O Espiritismo morreu junto com Allan Kardec e não teve a oportunidade de reencarnar. Morreu mesmo, se extinguiu. Não sobrou migalha para contar a história. Da doutrina só ficou o nome, usado para rotular esse carnaval irresponsável que acaba por atrair as mais malévolas influências ocultas, além de beneficiar lideranças que não passam de reles oportunistas.
E um desses reles oportunistas, um beato católico de nome Francisco Cândido Xavier, que de cândido não tinha nada, a não ser a fala de molenga, esquartejou o Espiritismo já assassinado pelos deturpadores franceses, principalmente Jean Baptiste Roustaing, tão estimado pelos "espíritas" brasileiros que tem vergonha de pronunciar seu nome.
Xavier, que morreu sem ter entendido uma virgula da doutrina que fingia ser seu maior mestre, fez um imenso estrago à doutrina e cometeu a atrocidade de travar a evolução espiritual de seus seguidores, transformados em um bando de ovelhas católicas que sonham com um …

O medo de cairmos em mais um "mea culpa"

(Autor: Professor Caviar)
Diante da grave crise em que vive o "movimento espírita" brasileiro, um grande temor volta a preocupar os questionadores mais severos: o de haver mais um recuo às críticas severas feitas contra os deturpadores que usurpam a Doutrina Espírita ao seu bel prazer.
Durante 131 anos, a deturpação do Espiritismo através de uma abordagem igrejista encontrou, na figura de Chico Xavier, um propagandista muito habilidoso, e os escândalos que vieram a combatê-lo, todavia, murcharam diante de circunstâncias muito estranhas.
O pretexto era sempre esse: recuar diante da "maldade" em combater uma figura supostamente associada ao trabalho do bem e personificada num caipira delicado e sensível, mais tarde um velho doente e fragilizado.
Nos esquecemos do que a ficção científica, embora de maneira fantasiosa, nos ensinava em metáforas, com verdadeiros vilões se travestindo de pessoas frágeis e bondosas para nos enganar, como que num contra-ataque às avessas,…

O Bom Mocismo de Chico Xavier

(Autor: Kardec McGuiver)
Eu gosto de definir as coisas pelos resultados. Não adianta você classificar um serviço como perfeito se os resultados desse serviço deixam a desejar ou são feitos de forma paliativa ou parcial. Para que algo possa ser considerado perfeito ou excelente, deve ser eficiente, fazendo da melhor maneira e se possível, ultrapassando a meta prevista.
Chico Xavier não correspondia a isso. Tido como "o homem mais bondoso do Brasil", não fez nada de relevante para merecer este titulo. A fama de super-filantropo é uma farsa, mais uma de tantas que foram fabricadas para que sua popularidade crescesse e a vendagem de livros enriquecesse a FEB, com uma imensa fortuna que NÃO ia para a caridade. Se fosse, a gente ia ficar sabendo disso, pois a renda recebida com as vendagens era realmente muito grande.
Para que Francisco Cândido Xavier tivesse a sua fama comprovada, ele deveria ter mudado o país. A pobreza deveria ter sido reduzida drasticamente; problemas cotidia…

Mais leitor pedindo o livro de Attila Paes Barreto

(Autor: Renato Pavanelli)
Eu nunca sabia que Chico Xavier tinha causado muito escândalo. Eu, que fui espírita e não sou mais, achava que toda essa confusão era apenas uma campanha para desmoralizar o cara, conhecido pela aparente bondade que muitos acreditam piamente.
Eu era chiquista apaixonado, fiquei fascinado por Chico Xavier, era encantado com sua imagem de pessoa bondosa e cheguei mesmo a defender o cara em muitos fóruns da Internet. Mas eu me desiludi quando um amigo meu resolveu me explicar detalhadamente toda a farsa que estava por trás dele. Eu, a princípio, não acreditei, mas meu amigo fez argumentos muito consistentes para serem postos em dúvida.
Eu percebi que a caridade de Chico Xavier era frouxa e fraca, que a mediunidade dele era mentira, que muitas ideias trazidas por ele eram antiquadas e de um moralismo cruel, e vi que as confusões que, para mim, soavam como campanha difamatória, eram na verdade reações coerentes contra os abusos que o dito médium causou na socieda…

A pegadinha da "data-limite"

(Autor: Professor Caviar)
A suposta "profecia" da "data-limite", que o "espírita" Geraldo Lemos Neto afirma ter recebido de Francisco Cândido Xavier em 1986, a respeito de um antigo sonho de 1969 após a expedição de astronautas da NASA na Lua, causa mais confusão do que esclarecimento.
Nela é narrada a "reunião" entre Jesus Cristo, o "governador da Terra", e "autoridades" de diversos planetas do Sistema Solar - há quem afirme também a "presença de lideranças do Universo" - sobre o risco de uma Terceira Guerra Mundial por causa da viagem à Lua.
Teria sido decidida uma moratória de 50 anos para o mundo evitar o conflito e promover a solidariedade cristã. Caso continuem havendo guerras entre países e ações de grupos terroristas, a Natureza castigaria o Hemisfério Norte com catástrofes, tornando a região "inabitável". O legado cultural do velho mundo, danificado, seria compensado com expedições de extraterres…

Deturpação da Doutrina Espírita não é "brincadeira de criança"

(Autor: Professor Caviar)
A blindagem que envolve Francisco Cândido Xavier e Divaldo Pereira Franco, mesmo da parte de ateus e de críticos da deturpação do Espiritismo, é preocupante, por mais que se insistam nos pretextos de "bondade" e "caridade" que os envolvem.
Isso porque tal atitude dá a impressão de que as deturpações feitas pelos dois "médiuns" são até admitidas por muitos, porém vistas como se fossem "molecagens", "brincadeira de criança".
Só que as deturpações feitas por Chico Xavier e Divaldo Franco não são traquinagens como essas que incomodam no momento em que ocorrem, mas depois caem no esquecimento ou nas lembranças alegremente saudosas de pequenos incômodos passados. O que eles fizeram não pode ser comparado àqueles atos de crianças jogando bola e uma delas, sem querer, quebrando a vidraça de uma casa vizinha.
O que eles fizeram foi de extrema gravidade para a Doutrina Espírita, em muitos aspectos. A compreensão adequa…

Bela, recatada, do lar e..."espírita"

(Autor: Professor Caviar)
O texto a seguir não é necessariamente sobre Marcela Temer, a esposa do possível futuro presidente da República, Michel Temer - recentemente testando o futuro mandato com a viagem da presidenta Dilma Rousseff, ameaçada de perder o mandato, à sede da ONU, nos EUA - , e nem aqui se está levando em conta se ela é ou não "espírita", mas sobre o texto da revista Veja que causou intensa polêmica na semana passada.
A reportagem de Veja, revista muito famosa pelo seu reacionarismo extremo, expressa um machismo retrógrado que fez muitos especialistas comentarem que o texto "Bela, Recatada e do Lar" poderia ter sido escrito no Brasil colonial ou mesmo antes, na Idade Média, em português arcaico, pelo ponto de vista machista retrógrado.
Pouco importa se Marcela Temer é católica, evangélica ou "espírita", não se leva em conta isso. Leva-se em conta o fato de que a futura primeira-dama - muito mais jovem que o marido, com diferença etária de…

Allan Kardec teria reprovado 'Parnaso de Além-Túmulo'

(Autor: Senhor dos Anéis)

O Brasil não costuma, salvo em valiosas exceções, raciocinar com isenção as coisas. Daí o deslumbramento com ídolos e símbolos religiosos, um fascínio cego, um encanto entorpecedor, que deixa as pessoas embriagadas àquilo que entendem ser "energias de amor" que cria ilusões de percepção muitíssimo graves.

Daí que essas "energias de amor", que deixam as pessoas na ilusão de se acharem tão seguras e protegidas por energias supostamente elevadas, mas que, à menor contrariedade, se alteram em reações de rispidez e pânico, o que mostra a fragilidade destas vibrações que nada têm de elevadas.
Por isso é compreensível que os defensores de Francisco Cândido Xavier se assustem com as críticas severas, porém realistas e consistentes, que a comunidade literária faz contra seus livros, principalmente a "série Humberto de Campos" e o livro Parnaso de Além-Túmulo, pastiches literários de fácil identificação, desde que observados com cautela e…

Deturpadores da Doutrina Espírita ainda são aceitos devido à suposta bondade

Infelizmente, muitos se iludem com a suposta filantropia dos pretensos médiuns "espíritas" Francisco Cândido Xavier e Divaldo Franco.
As pessoas que ficam falando na "bondade" deles dificilmente conseguem explicar, com isenção, as suas posturas. Ficam falando na "bondade" deles com a convicção de crianças pequenas falando no Papai Noel e no Coelhinho da Páscoa.
Claro que tem aqueles que tentam dar argumentos "racionais", como se fizessem a "filosofia do próprio umbigo", e como se tivessem posse da verdade.
Mas o que vemos é que a "filantropia" de que tanto se alardeia dos dois "médiuns" é apenas uma propaganda e, o que é pior, um escudo para suas fraudes e sua mistificação.
Erasto, o espírito que havia avisado sobre os inimigos internos da Doutrina Espírita, havia nos aconselhado a tomar a maior cautela possível quando tais pessoas traiçoeiras, vivas ou do além-túmulo, falam ou mostram "coisas boas".
Ning…

Hipotética destruição do "velho mundo" causaria danos à Ciência

(Autor: Professor Caviar)
Se a suposta profecia da "data limite" que Francisco Cândido Xavier divulgou para Geraldo Lemos Neto fosse confirmada, em relação à destruição do "velho mundo", isso traria danos ao conhecimento científico, nada comparáveis aos incêndios na Biblioteca de Alexandria, no Egito, durante a Antiguidade, mas mesmo assim de difícil recuperação.
Conta a "profecia", originária de um sonho de 1969 que Chico Xavier teve depois da notícia da expedição da Nasa na Lua, que uma "reunião" entre as chamadas "autoridades do Universo", como Jesus Cristo, supostos líderes de outros planetas e mais Emmanuel e o próprio "médium", sobre a preocupação de que a viagem à Lua poderia causar um conflito bélico sem precedentes.
A tese é, sabemos, improcedente e cheia de erros de abordagem sociológica, geológica e de outras áreas do Conhecimento. A "profecia", por exemplo, prevê que eslavos fossem morar no Nordeste bra…

Mais um leitor pede o lançamento de livro de Attila Paes Barreto

(Por Mauro Lima Bertoldo, via e-mail)
Informação. Informação acima de tudo é que queremos. Doa a quem doer. A gente não viu que o Pinga-Fogo da TV Tupi mostrou Chico Xavier defendendo a ditadura, para milhares de telespectadores e, hoje, com vídeo completo no YouTube, para mais e mais gente?
Que implicância é essa com o livro O Enigma Chico Xavier Posto à Clara Luz do Dia, um trabalho de jornalismo investigativo, que poderia ser muito bem publicado hoje, vendo que temos muitos e muitos trabalhos investigativos sobre vários temas, inclusive os mais polêmicos?
Medo de atingir o suposto médium tido como "bondoso"? Medo de derrubar um totem religioso que é apoiado até pela Rede Globo (a rivalidade das Organizações Globo com Chico são "águas passadas")? Medo de ver centros espíritas se esvaziarem diante de tantas denúncias?
É chocante ver a cegueira que faz com que Chico Xavier receba tanta blindagem. Se o livro de Attila Paes Barreto continua no esquecimento do mercad…

Intelectuais nunca legitimaram psicografia de Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
Durante as polêmicas causadas pelo livro Parnaso de Além-Túmulo e das obras atribuídas a Humberto de Campos, vários intelectuais brasileiros da década de 1940 se pronunciaram a respeito dessa atitude de Chico Xavier.
Sabemos que nomes como Osório Borba, João Dornas Filho, Attila Paes Barreto e Malba Tahan se pronunciaram contra o "médium", afirmando que tais "psicografias" nunca passaram de grotescos pastiches literários, inferiores às obras que os alegados autores deixaram em vida.
Por outro lado, houve autores que se mostraram neutros, se abstiveram em dizer se as "psicografias" eram autênticas ou não. Embora algumas posições pareçam sinalizar para uma avaliação favorável, a verdade é que nenhum dos quatro autores abaixo confirmou a "psicografia" de Chico Xavier, apenas se mantendo omissos em dar qualquer parecer.
Há que se considerar que os autores que se abstiveram se baseavam na hipótese de que Chico Xavier, se fa…

A possível demência de Chico Xavier

(Autor: Kardec McGuiver)
Francisco Cândido Xavier foi uma verdadeira fraude em forma humana. Como gostava de ler e de escrever, foi induzido a produzir material que enriqueceu s cofres da Federação "Espírita" Brasileira, de linha roustainguista e não kardeciana, inventando que a renda seria 100% para a caridade, que não trouxe nenhum , eu disse NENHUM, sinal de transformação social por causa da suposta renda doada.
Na verdade tudo fez parte de uma verdadeira campanha publicitária para canonizar em vida o médium Francisco Cândido Xavier, se aproveitando do carisma que ele atraia para si, fazendo com que uma multidão de incautos e incultos se ajoelhem diante dele pensando ser Chico o "salvador da humanidade" que tanto esperam.
Mas Chico Xavier, na verdade um beato católico que supostamente "falava com os mortos", ao ser excomungado de sua fé que ele nunca largou, foi "adotado" pelos pseudo-espíritas, na verdade dissidentes tão católicos quanto el…

Porque escrevemos sob pseudônimos

(Autor: Kardec McGuiver)
Muitos dos que visitam este blog devem achar estranho os nomes de certos autores, entre a nossa equipe e os colaboradores. Para muitos soa como uma falta de credibilidade o uso de nomes falsos (pseudônimos - popularmente conhecidos como "fakes"), o que desestimula a leitura e compreensão. Mas aqui neste blog ninguém aqui está a fim de brincadeira ou fingimento.

O objetivo deste blog é tentar devolver o Espiritismo às origens kardecianas, voltando para onde o codificador parou antes de falecer e continuar a evolução a partir daí, se livrando ao máximo do religiosismo embutido pelos seus deturpadores (como o intruso e beato católico Francisco Cândido "Chico" Xavier). Até porque Espiritismo de fato nada tem a ver com religião. Ou pelo menos não deveria.
A religiosidade embutida na doutrina fez um enorme estrago. Mas se consagrou e é a forma entendida por uma gigantesca maioria de adeptos. Por este blog ser um blog iconoclasta (que tenta desmo…

A infância, as fantasias e a perigosa pieguice das "palavras de amor"

(Autor: Professor Caviar)
Muitos brasileiros continuam infantilizados. Se fascinam, até com muito exagero, com a figura de Francisco Cândido Xavier, por conta de seu estereótipo de "bom velhinho" e de sua associação a ideias aparentes de bondade, amor e humildade.
As pessoas ficam sobretudo falando em "palavras de amor", como se pudessem se comover com simples palavrinhas. Parecem crianças sonhando, só que de uma maneira ainda perversa.
Afinal, é natural e compreensível que as crianças, ou seja, pessoas que estão no começo da vida material, pudessem sonhar e fantasiar. Inventam crenças surreais, criam amigos imaginários, brincam de ser aquilo que não têm certeza que serão no futuro, criam compreensões superficiais sobre certas coisas.
Isso é até saudável. As crianças estão no começo da compreensão das coisas. Sonhando, podem desenvolver ideias e projetos, que o tempo irá moldar e reformular conforme as situações. Daí que é até salutar e positivo que as crianças fa…

Origem da fase "dúbia" do "espiritismo" foi uma revanche

(Por Rafael Picanço, via e-mail)
É preciso que os espíritas conheçam certas verdades de seu movimento, já que as contradições que se divulgam aos montes tiram todo o mérito do Espiritismo que se faz no Brasil de ser visto como uma coisa séria e responsável.
Chama a atenção a adoração extremada a Chico Xavier e Divaldo Franco, que poucos se lembram que são deturpadores da pior espécie, maus divulgadores do pensamento de Allan Kardec, que eles, comprovadamente, demonstraram não entender nada.
Os espíritas entram em contradição sempre, dizendo que são rigorosamente fiéis a Kardec, mas apoiam ideias contrárias a ele, e misturam pensamentos trazidos pelo Codificador com outros contrários àqueles, divulgados por nomes como Emmanuel, André Luiz e as usurpações nominais de pobres coitados como Meimei (Irma de Castro Rocha) e Humberto de Campos, que não estão mais aí para reclamar de tanta apropriação.
E qual a origem dessa vergonhosa postura, desse Espiritismo que acende velas a dois senhore…

Relator pró-impeachment de Dilma Rousseff cita Chico Xavier

(Autor: Professor Caviar)
No último dia 06, o relator do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, o deputado federal Jovair Arantes, do PTB goiano, deu conselhos a ela assim que deixar o poder.
Em um trecho que ele, citando que "são nos momentos de crise que temos a oportunidade de trilhar um novo caminho", Jovair citou ninguém menos que o anti-médium mineiro Francisco Cândido Xavier:
"Como diz Chico Xavier, 'ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo. Mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim'", disse Jovair Arantes, que aliás é aliado do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, um dos que mais torcem para ver Dilma fora do Palácio do Planalto.
QUANTA INGENUIDADE
A repercussão dessa atitude pode ter sido aparentemente pequena, mas, aparentemente, desfavorável a Jovair e favorável ao "médium". Mas, nas mídias sociais, houve quem, na boa-fé, acusasse Jovair de oportunismo.
"Jovair Arantes citando Chico Xavi…

Suicídio e a Teologia do Sofrimento do "espiritismo" brasileiro

(Autor: Senhor dos Anéis)
O "espiritismo" brasileiro não quer que as pessoas se suicidem. Em princípio, isso é bom. Mas o problema é que, mesmo reprovando o suicídio, os "espíritas", além de fazerem uma acusação severa do suicídio como um crime pior do que o homicídio, não apresentam soluções para evitar as pessoas a cometerem atitude tão extrema e irreversível.
Sabemos que o "espiritismo" brasileiro, na sua quase totalidade, é adepto da Teologia do Sofrimento. Isso se mostra claro nas frases de Francisco Cândido Xavier, que pedia para os sofredores não se queixarem, não demonstrarem sequer que sofrem e não gemam sequer de dor, e orando no mais absoluto silêncio para não causar perturbações alheias.
Sim, isso mesmo. O "bondoso" e "misericordioso" Chico Xavier, a pretexto de parecer "pacifista" e "conciliador", queria que os sofredores ficassem em silêncio, quietos, aguentando suas desgraças por tempo indeterminado …